Auto-libertação miofascial: o que é?

A auto-libertação miofascial é uma técnica manual, muito simples e bastante popular no fitness e mundo do desporto, mas que começa a ganhar muitos fãs também no enquadramento da reabilitação.

Esta técnica pode ser executada com o auxílio de diferentes objetos como o foam-roller e bola de lacrosse, tendo-se tornado a forma mais popular de “auto-massagem” no contexto do exercício.

auto-libertação miofascial - infográfico
auto-libertação miofascial

Com um efeito direto sobre o complexo miofascial, a pressão exercida melhora a qualidade do tecido muscular através de uma diminuição da rigidez local, aumento da mobilidade das fibras e otimização do trofismo e circulação sanguínea local. Também a estimulação dos mecanorrecetores fasciais figura como um ponto fundamental, uma vez que induz uma redução da estenose miofascial e uma sinalização para que o sistema nervoso altere a atividade dos músculos envolvidos. Apresenta-se, portanto, especialmente eficaz para:

  • Aumentar a flexibilidade – a evidência demonstra que melhora a flexibilidade a curto prazo (aguda) e que esta melhoria dura até 10 minutos; e a longo prazo (crónica) quando é realizada de forma regular
  • Reduzir a intensidade do “Síndrome Retardado de Desconforto Muscular” e melhora a recuperação pós-exercício particularmente durante períodos mais intensos de competição: pesquisas revelam que pelos seus efeitos, pode ser uma alternativa ao alongamento estático nas rotinas de aquecimento e arrefecimento, contribuindo para a potência, agilidade, força e velocidade, principalmente quando combinada com movimentos e alongamentos dinâmicos.

Por tudo isto, contribui de forma efetiva para melhorar o desempenho atlético, sendo hoje um objeto obrigatório em qualquer clube desportivo, ginásio ou estúdio de treino personalizado.

Paradoxalmente à sua ampla popularidade, é importante referir que algumas questões relacionadas com os mecanismos fisiológicos envolvidos e métodos de aplicação prática continuam por esclarecer. Ainda assim, e tendo por base o que a literatura refere e o que a prática tem revelado, as recomendações apontam para:

  • 3-5 séries de 20-30 segundos por exercício
  • 3-5 vezes por semana realizada em uma base consistente

Partilhe esta notícia