O nosso website utiliza cookies por forma a melhorar o desempenho do mesmo e a sua experiência como utilizador. Pode consultar a nossa política de cookies AQUI

Publicado a 01/08/2020

Voltar
Eduardo Teixeira

A importância da fase inflamatória na Miopatia do Exercício

Eduardo Teixeira

O exercício físico exaustivo e/ou de forma pontual induz alterações estruturais musculares neuro-músculo-esqueléticas cuja fisiopatologia é ainda pouco clara e às quais denominamos de Miopatia do Exercício, sendo as suas alterações fisiológicas e anatómicas semelhantes às alterações que decorrem numa distrofia muscular, apenas com a diferença que são transitórias e temporárias.

Um dos fatores já verificados nestes casos é a presença de uma fase inflamatória, decorrente da lesão muscular presente após o exercício. Um a três dias após o exercício, a resposta inflamatória nos músculos agredidos parece estar completamente estabelecida, com fagócitos dispersos pelo endomísio e no interior de algumas fibras lesadas.

Atualmente, torna-se cada vez mais determinante conhecer a fisiopatologia, fisiologia do exercício de forma a aplicar o melhor plano de exercício clínico, uma área de estudo complexa para os profissionais de exercício e saúde que trabalham com patologias associadas ao sedentarismo e ao envelhecimento.

Por isso mesmo, deixamos-lhe com um vídeo onde o nosso formador Eduardo Teixeira, fisiologista do exercício, lhe explica todo o processo da fase inflamatória na Miopatia do Exercício.

Para assistir ao vídeo, submeta o formulário abaixo.

CV: Atual fisiologista da equipa A do Sporting Clube de Braga é docente de fisiologia do exercício em várias instituições de ensino superior.

Partilhe em...