O nosso website utiliza cookies por forma a melhorar o desempenho do mesmo e a sua experiência como utilizador. Pode consultar a nossa política de cookies AQUI

Publicado a 25/01/2021

Voltar
Beatriz Miranda e Roberto Machado

Alunos de Fisioterapia que ganharam o Prémio AUA! - Saúde Sobre Rodas: um projeto social| Por Beatriz Miranda e Roberto Machado (Bwizer Magazine)

Beatriz Miranda e Roberto Machado

Este artigo fez parte do Número 12 da Bwizer Magazine – pode vê-la na íntegra aqui.

 

Um estudo recente do Instituto Nacional de Estatística (INE) revela que quase metade da população portuguesa terá mais de 65 anos dentro dos próximos 60 anos. Portugal é o 4.º país da União Europeia (entre 28 países) com maior percentagem de pessoas idosas. Num momento em que Portugal foi classificado, pela Organização Mundial de Saúde, como estando no bottom-down na Europa, no que toca ao tratamento aos seus idosos, estas notícias são alarmantes.

Em 2017, estimou-se que mais de 45 mil idosos vivem sozinhos ou isolados, e dados de 2016 revelam que cerca de 40% da população portuguesa com mais de 65 anos se encontra sozinha durante 8 horas ou mais por dia. Estes números são, no mínimo, assustadores, já que a solidão e isolamento social dos mais velhos leva a sofrimento, desinteresse pela vida e estados depressivos que podem ser fatais.

A promoção do envelhecimento ativo e saudável em Portugal regista várias iniciativas, contudo há ainda um caminho a percorrer para que essa abordagem se reflita na saúde e na qualidade de vida das pessoas idosas, garantindo a realização plena da sua dignidade.

Neste sentido, importa destacar alguns dos indicadores do Índice de Envelhecimento Ativo da United Nations Economic Comission for Europe (UNECE) de 2016, onde entre os 28 países da União Europeia, Portugal localiza-se em: 16.º lugar, relativamente ao indicador “Envelhecimento Ativo Global”; 18.º lugar relativamente ao indicador “Capacidade para o Envelhecimento”; 21.º lugar, relativamente ao indicador “Participação Social” e ao indicador “Vida Independente”.

Os indicadores acima apresentados realçam a necessidade de desenvolvimento de trabalho nesta área, oferecendo uma oportunidade de reflexão e implementação de mudanças conducentes à sua melhoria.

 

Para continuar a ler este artigo, submeta o formulário abaixo.

 

 

Este artigo fez parte do Número 12 da Bwizer Magazine – pode vê-la na íntegra aqui.

Partilhe em...