Avaliação da postura cervical em crianças com Classe I, II, e III

Estudos sobre a relação entre a postura da coluna vertebral e os aspectos morfológicos do rosto geralmente concentram-se na relação entre a postura vertebral e as dimensões verticais da face e, consequentemente, a divergência e inclinação das bases mandibulares e maxilares, não na classe esquelética do indivíduo. Em estudos anteriores realizados pelos autores do estudo atual, foram encontradas correlações significativas entre o ângulo da lordose cervical e a inclinação e comprimento mandibular, tanto em indivíduos com e sem distúrbios das articulações temporomandibulares (DTM).

O presente estudo contribui para o conhecimento do complexo sistema de inter-relações entre a postura cervical e a morfologia facial. Também é importante, uma vez que os clínicos tendem a classificar seus pacientes com base na sua classe esquelética, e não nas dimensões verticais do rosto. 

Avaliação da postura cervical em crianças com Classe I, II, e III

A amostra utilizada neste estudo incluiu 120 crianças (60 do sexo masculino e 60 do sexo feminino, idade média de 9,5 anos, SD ± 0,5) admitidas consecutivamente no Departamento de Ortodontia e Gnatologia da Universidade de Chieti, para tratamento ortodôntico. As telerradiografias de perfil foram feitas antes do início do estudo. A classe esquelética foi avaliada de acordo com Downs. As 16 variáveis posturais foram rastreado de acordo com Solow e Tallgren; o ângulo de lordose cervical (CVT / EVT) foi traçado de acordo com Hellsing, et al. Para avaliar o erro devido à identificação da marcação dos pontos, as medidas duplicadas foram feitas para dez radiografias da maneira descrita por Hellsing, et al. Uma das descobertas mais importantes deste estudo foi que a coluna cervical foi significativamente estaria mais retificada em indivíduos com classe III esquelética do que em indivíduos com classes esqueléticas I e II, uma vez que os resultados do ângulo CVT / EVT foram significativamente menores (p

Juntamente com as nossas descobertas e as de outros estudos, sugere-se que a lordose cervical diminua em indivíduos com mandíbulas longas (principalmente indivíduos em esqueleto classe III). Com base nessas observações, a conclusão mais importante é que é possível que o tamanho e a posição da mandíbula sejam dois fatores que estão fortemente relacionados à postura cervical. No entanto, as conclusões sobre o mecanismo de influência ou o que causa o que não são possíveis devido à estrutura transversal das investigações. Só podemos apresentar hipóteses sobre a relação entre comprimento e / ou forma mandibular e lordose cervical e / ou postura.

No estudo atual, foi encontrada diferenças significativa da extensão cabeça na seção do meio da coluna vertebral (SN / CVT) e, consequentemente, uma postura mais anteriozida da cabeça, foi encontrada em indivíduos na classe II em comparação com indivíduos na classe I (p

O estudo também revelou que uma curva mais lordótica da coluna cervical está relacionada a uma maior extensão da cabeça, ou seja, a uma classe II esquelética. Uma curva mais endireitada da coluna cervical parece estar relacionada a uma postura de cabeça mais anteriorizada, ou seja, classe III esquelética.

Os resultados no estudo relativo à postura maxilar e mandibular parecem apresentar outra hipótese para explicar diferenças na postura cervical em indivíduos em diferentes classes esqueléticas. As diferenças na postura maxilar e mandibular (a inclinação dessas bases na coluna vertebral) podem ser consideradas a causa das diferenças na postura cervical. Pode existir uma forte relação entre a forma e o tamanho da mandíbula e maxilar e a postura cervical.

Dentro dos limites estabelecidos pela amostra examinada, os resultados presentes neste estudo sugerem:

1. A lordose coluna cervical das crianças na classe III foram significativamente mais retificada do que as crianças nas classes esqueléticas I e II, evidenciando endireitamento do segmento inferior da coluna vertebral (C4 a C6);

2. O estudo encontrou mais extensão da cabeça no segmento médio da coluna vertebral em crianças na classe esquelética II do que as outras duas classes;

3. O estudo também encontrou diferenças significativas na inclinação da base maxilar do segmento médio da coluna vertebral entre as classes esqueléticas I, II e III. As crianças na classe esquelética III tiveram uma inclinação significativamente menor da base mandibular no segmento médio da coluna vertebral.

 

-----

Bibliografia:

Evaluation of cervical posture of children in skeletal class I, II, and III.”

Partilhe esta notícia