O nosso website utiliza cookies por forma a melhorar o desempenho do mesmo e a sua experiência como utilizador. Pode consultar a nossa política de cookies AQUI

Publicado a 13/08/2020

Voltar
Maria Spratley

Exercício no envelhecimento: plano de treino para mobilidade e core (vídeo tutorial)

Maria Spratley

Com o aumento da população envelhecida surge a necessidade de criar estratégias para melhorar a qualidade de vida e saúde, prevenindo o aparecimento de comorbilidades e/ou retardando as patologias mais comuns do aumento da idade.

Importa não deixar que as inúmeras alterações características da idade se aliem aos efeitos negativos do sedentarismo e deixem os seniores mais fracos e menos funcionais.

O envelhecimento ativo é considerado uma das trends atuais, reconhecida pela Dreção Geral da Saúde. Graças a este reconhecimento e educação para a importância do exercício físico no envelhecimento, a procura por soluções neste sentido tem também aumentado drasticamente.

Portugal, assim como outros países da Europa, tem vindo a registar nas últimas décadas profundas transformações demográficas caracterizadas, entre outros aspetos, pelo aumento da longevidade e da população idosa, o que naturalmente exerce um forte impacto na sociedade como um todo e exige adaptações e respostas em diversos níveis, nomeadamente por parte dos seus sistemas de suporte, como é o caso dos sistemas de exercício e saúde.

Muito embora o aumento da longevidade da população portuguesa seja um facto apreciável, a qualidade dos anos de vida ganhos apresenta ainda um potencial para melhorar.

Considerando o conceito de Envelhecimento Ativo proposto pela Organização Mundial da Saúde (OMS), esta melhoria dependerá muito do empenho de cada um, enquanto agente da sua própria saúde, participação e segurança, e da sociedade como um todo, de forma a que sejam garantidas as oportunidades para tal, à medida que as pessoas envelhecem.

O papel do profissional do exercício e saúde é, por isso, o de atuar na prevenção e trabalhar para atenuar, por exemplo, a diminuição da mobilidade e função do core. Sabe-se que a prevalência destes dois parâmetros é um importante fator que contribui para a fragilidade, aumento de risco de queda e perda de independência, pelo que deve ser um dos grandes focos de intervenção.

Submeta o formulário abaixo e assista a um vídeo tutorial onde Maria Spratley, especialista em exercício no envelhecimento, lhe mostra um exemplo de uma sessão de mobilidade e fortalecimento do core

CV: Licenciada em Educação Física e Desporto e Mestre em Atividade Física para Terceira Idade. Personal Trainer, Professora Ginástica Laboral, Professora CardioFitness e Musculação, Hidroginástica, HidroBike e Natação.

Partilhe em...