Massagem do Bebé: uma comunicação de afetos | Por Maria João Alvito

O contacto tátil é uma forma de comunicação, comum às espécies, culturas, géneros e idades. A qualidade do ato de tocar, desde o período intrauterino e ao longo do crescimento, é um elemento fundamental do desenvolvimento humano, promovendo benefícios de ordem fisiológica, emocional e social.


A pele transforma estímulos físicos em comunicadores químicos e em estados psicológicos; possibilita a geração de imagens mentais, emoções e sentimentos. Um toque terno produz a sensação de apoio e carinho.

Um toque rude produz sensações de rejeição e medo. O toque faz da pele uma ponte de intenso tráfego, partilhada por todos os sentidos, de encontros visíveis e invisíveis.

A massagem do bebé sempre existiu em várias culturas, como encontro de pais-filhos e expressão do cuidar dos elos afetivos mais próximo ao bebé.

Ao longo do crescimento humano deixamos, com saudade, o colo da mãe, o aconchego do abraço do pai ou as festas de um irmão mais novo. Na memória da nossa pele guardamos histórias repletas de afetos, amores e desenganos. Já pensámos na importância do contacto tátil desde que nascemos?


O sentido mais significativo

O nascimento de um bebé acontece muito antes da data de parto. Nomeadamente o sistema tátil, aquando da gestação intra-uterina, é o primeiro dos sistemas sensoriais a tornar-se funcional. Muitos chamam-no a “mãe dos sentidos”.

A nossa pele tem a mesma origem embrionária do sistema nervoso central – a ectoderme; como tal, podemos considerá-la como prolongamento desse sistema central. As experiências epidérmicas são automaticamente integradas/organizadas pelo sistema nervoso.

A função organizadora da mãe é o primeiro elo de ligação do bebé com o meio que o rodeia. No útero, o bebé está abraçado pelas paredes uterinas – o seu limite exterior; dentro do saco amniótico, a uma agradável temperatura, vai sentindo as massagens do líquido aquando dos movimentos corporais da mãe. O bebé mexe-se, leva a mão à boca, explora e descobre o seu corpo. O bebé apresenta um leque de capacidades sensoriais e motoras que se revelam desde o nascimento, através das diversas interações que estabelece com o meio envolvente e seus elos afetivos. O tato é, pois, o sentido mais significativo que possuímos para comunicar quando nascemos.

Massagem do Bebé: uma comunicação de afetos | Por Maria João Alvito

Benefícios da massagem ao bebé

A melhoria dos cuidados de saúde e o aumento crescente do número de prematuros levou a que muitos investigadores se tenham interessado em desenvolver estudos que evidenciam a importância da massagem do bebé no desenvolvimento humano. O contacto tátil é fundamental para o desenvolvimento do bebé, para a organização e maturação dos seus sistemas fisiológicos e como forma de comunicação entre pais e filhos (Arditi, Feldman, & Eidelman, 2005; Field, 2001a; Montagu, 1988; Stack, 2004; Weber,1990; Weiss, Wilson, & Morrison, 2004;). O Touch Research Institute, através de vários estudos científicos realizados, tem contribuído para fundamentar a prática ancestral da massagem do bebé.

Os benefícios globais da massagem do bebé traduzem-se em quatro grandes grupos: Estimulação, Alívio, Relaxamento e Interação.

  • Estimulação – A massagem do bebé estimula o sistema circulatório, sistema digestivo, sistema hormonal, sistema imunitário, sistema linfático, sistema nervoso, sistema respiratório, sistema vestibular (coordenação e balanço), desenvolvimento da linguagem, melhoria das capacidades de aprendizagem, desenvolvimento muscular e tónico, integração sensorial, ligações neuronais e consciência mental/corporal.
  • Alívio – A massagem do bebé pode ajudar a diminuir as cólicas, prevenir a obstipação, favorecer a eliminação, aliviar níveis de dor, tensão muscular, desconforto dos dentes, desorganização do sistema nervoso, normalizar a sensibilidade tátil, tensão física e psicológica.
  • Relaxamento – Os benefícios da massagem relativamente ao relaxamento podem ser demonstrados através da melhoria nos padrões de sono, normalização do tónus muscular, aumento da flexibilidade, regulação dos estádios comportamentais, melhoria da capacidade de se acalmar (autorregulação), diminuição do tempo de choro, redução dos níveis de stress através da redução dos níveis hormonais de stress (como o cortisol e a noradrenalina), maiores níveis de dopamina, diminuição da hipersensibilidade e maior libertação de endomorfinas e oxitocina, hormonas promotoras do relaxamento corporal.
  • Interação – A massagem favorece a promoção de uma vinculação segura entre pais e filhos. A rotina da massagem proporciona um tempo de qualidade para a família, favorece o aumento das competências parentais, gera mutuamente sentimentos de respeito, segurança e amor. O contacto tátil precoce com ambos os pais cria momentos únicos de empatia e comunicação.

 

Uma realidade em muitos países

A massagem infantil ou do bebé é hoje uma realidade em muitos países, integrada nos cuidados de saúde básicos prestados à família e ao bebé. Em Portugal, começou a sua integração em 2002, tendo vindo a crescer progressivamente no Continente e Ilhas. A formação de qualidade dos instrutores de massagem infantil é uma premissa crucial para a sensibilização das populações face à importância da estimulação sensorial no desenvolvimento do bebé.

Por sua vez, os diferentes profissionais de Saúde e Educação, que trabalham na área Materno Infantil, devem estar sensibilizados para as vantagens de aprofundarem os seus conhecimentos sobre os benefícios físicos e emocionais da estimulação táctil no desenvolvimento do bebé e no processo de vinculação pais-filhos.

Cabe aqui acrescentar que o processo de vinculação não é exclusivo da mãe: pode ser alargado ao pai, avós, irmãos ou famílias de adoção. Mesmo que as condições para este vínculo não tenham sido as mais favoráveis, a massagem é um excelente meio para potencializar esta ligação.

Estar no mundo é estar em contacto… E a pele de um bebé está quase sempre disponível à comunicação de afetos. Mãos à obra!

Partilhe esta notícia