O nosso website utiliza cookies por forma a melhorar o desempenho do mesmo e a sua experiência como utilizador. Pode consultar a nossa política de cookies AQUI

Dicas para o Sucesso Profissional

Registo
Voltar à listagem

Punção Seca no Tratamento do Síndrome Miofascial (Trigger Points) | por Luis Nascimento (Bwizer Magazine)

Este artigo fez parte da 1ª edição da Bwizer Magazine – pode vê-la na íntegra aqui.

 

A expressão punção seca (PS) corresponde à tradução do termo inglês dry needling e consiste na introdução através da pele, de diferentes tipos de agulhas, sem a injeção nem a extração de substâncias ou fluidos, usando somente o estímulo mecânico da agulha e dos efeitos que este provoca no sujeito, com o objetivo de tratar diferentes patologias (Mayoral & Salvat, 2016).

Apesar de serem cada vez mais as indicações terapêuticas (Mayoral, 2012), o Síndrome Doloroso Miofascial (SDM) constitui o seu principal campo de atuação (Mayoral, 2012) (Simons, Travell & Simons, 2002). O SDM define-se como um conjunto de sinais e sintomas causados pelos Pontos Gatilho Miofascial (PGM) (Simons, Travell & Simons, 2002). Quando se diagnostica um SDM deve-se especificar o músculo, o grupo muscular ou a região anatómica onde se encontram os PGM. O PGM define-se, clinicamente, como um foco híper irritável situado numa banda tensa de fibras musculares, que quando comprimido mecanicamente desencadeia hiperalgesia e frequentemente alodinia, podendo referir outros sintomas ou sinais como dor referida, disfunções motoras e disfunções autonómicas (Simons, Travell & Simons, 2002).

Atualmente, a hipótese etiopatogénica mais aceite sobre a natureza dos PGM é conhecida como hipótese integrada, formulada por David Simons em 1996 (Simons, 1996) e difundida posteriormente (Simons, Travell & Simons, 2002). De acordo com esta hipótese, os PGM são pequenas contraturas causadas por disfunções da placa motora, capazes de causar tensão na banda onde se localizam.

 

Para continuar a ler este artigo, submeta o formulário abaixo:

Punção Seca no Tratamento do Síndrome Miofascial | por Luis Nascimento (Bwizer Magazine)

Partilhe esta notícia

A Bwizer nas redes sociais