Treinar em situação de fadiga: será importante? | Por Luis Mesquita

Treinar sob fadiga é uma tendência real entre os atletas de elite. Com efeito, especialistas sugerem que, ao simular condições reais de jogo, os atletas estarão mais preparados para a exposição à fadiga, resultando em menor risco de lesões. Mas é a melhor estratégia?

Este artigo concluiu que o treino sob fadiga reduz o risco de lesões relacionadas com a fadiga durante o estágio final de uma competição, e que “treinar sob um estado de fadiga pode melhorar o desempenho em estado de fadiga”.

Em primeiro lugar, para entender o que é fadiga, devemos compreender alguns conceitos bioenergéticos básicos.

 

1. Por que razão ocorre fadiga

O corpo humano precisa de energia para funcionar. A conversão de macronutrientes (hidratos de carbono, proteínas e gorduras) em formas de energia biologicamente utilizáveis é o que nos permite manter a função básica e sermos capazes de nos exercitar.

O ATP é uma molécula intermediária que impulsiona a produção de energia. Sem o ATP, a função muscular não seria possível. Assim, é vital entender como o exercício afeta a hidrólise e a ressíntese de ATP. Devido à economia, as células musculares armazenam quantidades limitadas de ATP e, como a atividade requer um suprimento constante de ATP para fornecer energia à atividade muscular, os processos produtores de ATP devem ocorrer dentro da célula.

Existem dois mecanismos principais: 1) aeróbico, que requer a presença de oxigênio, e 2) anaeróbico, que pode ocorrer sem qualquer fornecimento de oxigénio. Em relação aos sistemas energéticos, três sistemas básicos podem ser destacados: sistema de fosfogénio, glicólise e sistema oxidativo.

  • O sistema fosfogénio fornece ATP principalmente para atividades de alta intensidade e curta duração (dependente de PCrs, especialmente 0-6 segundos, mas pode atingir 30 segundos - depende da suplementação de creatina, por exemplo) como sprinting, treino de força/ potência e outras atividades de esforço único. Ao tentar melhorar a capacidade do sistema de fosfogénio, a proporção recomendada de trabalho para descanso é de 1:12 a 1:20.
  • A glicólise pode ser dividida em processos láctico (também conhecido como glicólise rápida - anaeróbia) e alático (também conhecido como glicólise lenta - parcialmente aeróbica). É a decomposição dos hidratos de carbono - a razão pela qual os hidratos de carbono são tão importantes para os atletas - no glicogénio muscular ou na glicose sanguínea, para ressintetizar o ATP. Como a glicólise envolve um processo mais complexo, a taxa de ressíntese de ATP é mais lenta do que o sistema de fosfogénio, mas a capacidade total é superior devido à maior oferta de glicogénio e glicose quando comparada à PCr (até 2-3 minutos de duração). Para melhorar a sua capacidade, o trabalho recomendado para a relação de repouso é de 1: 3 a 1: 5.
  • O sistema oxidativo, que é um sistema aeróbico, é a principal fonte de ATP quando em repouso e durante atividades de baixa intensidade, dependendo principalmente de hidratos de carbono e gorduras como substrato energético. Para melhorar sua capacidade, a relação de trabalho para descanso recomendada é de 1: 1 a 1: 3.

Apesar da maioria dos autores dividir os sistemas de energia pela duração e intensidade do exercício, é vital reconhecer que, a qualquer momento, todos os sistemas de energia estão ativos. A única diferença, relacionada com a duração e intensidade do exercício, é a sua percentagem de uso. Por exemplo, mesmo para uma corrida de 100m, o mecanismo aeróbico é responsável por aproximadamente 13% do total. Portanto, não é possível classificar uma atividade como apenas anaeróbica, por exemplo. Os sistemas de energia são assim um contínuo, sem intervalos entre eles.

A fadiga pode ser o resultado da ressíntese ineficiente de ATP, acumulação de de íons H+, estados do sistema nervoso autónomo, etc. Portanto, é um evento multifatorial. A fadiga é uma espécie de alarme, alertando que as nossas capacidades provavelmente serão comprometidas.

Treinar em situação de fadiga: será importante?

Para continuar a a ler este artigo, submeta o formulário abaixo:

 

 

Partilhe esta notícia