O nosso website utiliza cookies por forma a melhorar o desempenho do mesmo e a sua experiência como utilizador. Pode consultar a nossa política de cookies AQUI

Dicas para o Sucesso Profissional

Registo
Voltar à listagem

A atualização da Escala de Coma de Glasgow (ECG) | Retirado de PortalEnf

A escala de coma de Glasgow (ECG) foi criada na Escócia em 1974, na Universidade de Glasgow, por Taeasdale e Jennet. Essa escala é utilizada mundialmente para reconhecer disfunções neurológicas e acompanhar a evolução do nível de consciência, no prognóstico e padronizar a linguagem entre os profissionais de saúde. Em 1976, a escala foi revisada com a adição de um sexto valor na resposta motora.

Um dos principais fatores determinantes para lesões traumáticas, as quais causam consideravelmente a mortalidade e morbidade é o trauma crânio encefálico (TCE). Sendo que entre as causas não traumáticas de alteração da consciência estão os tumores cerebrais e os abscessos, as lesões oriundas de acidentes vasculares cerebrais, as hidrocefalias e os aneurismas, entre outras também chamadas de lesões estruturais.

Já as lesões não estruturais, estão alterações hidroeletrolíticas, hipóxia, hipertermia e hipotermia, intoxicações por álcool, encefalopatia hepática, drogas ilícitas, sedativos hipnóticos e metais pesados. A ECG é utilizada na avaliação do nível de consciência, auxilia na determinação da gravidade do trauma, na interpretação do estado clínico e prognóstico do paciente e nas pesquisas clínicas de enfermagem. Avalia a reatividade do paciente mediante a observação de três parâmetros: abertura ocular, reação motora e resposta verbal.

Cada componente dos três parâmetros recebe um escore, de modo que o escore geral varia de 3 a 15, sendo o melhor escore 15 e, o pior, 3. Os pacientes com escore 15 apresentam nível de consciência normal, os pacientes com escores menores que 8 indicações de proteção de via aérea por meio de via aérea invasiva ou avançada são considerados em coma, sendo apontado o estado de extrema urgência. É fundamental identicar o quanto antes os pacientes com causa reversível e potencial para um resultado favorável. O escore 3 é compatível com morte encefálica, no entanto, para a conrmação de morte encefálica há a necessidade de avaliar outros parâmetros. O TCE é classicado em leve, moderado e grave, de acordo com a pontuação do nível de consciência, mensurado pela ECG. Em 2018 houve a alteração da ECG a qual foi sistematizada em quatro passos.

  • Verifique – fatores que interferem com a comunicação, capacidade de resposta e outras lesões.
  • Observe – a abertura ocular, o conteúdo do discurso e os movimentos hemicoprpos direito e esquerdo.
  • Estimule – estimulação sonora: ordem em tom de voz normal ou em voz alta. Estimulação física: pressão na extremidade dos dedos, trapézio ou incisura supraorbitária.
  • Pontue – de acordo com a melhor resposta observada.

A atualização da Escala de Coma de Glasgow (ECG) | Retirado de PortalEnf

Ressalta-se que alguns fatores podem interferir no resultado como:

  • Fatores pré-existentes – linguagem ou diferenças culturais, décit intelectual ou neurológico, perda auditiva ou impedimento de fala.
  • Efeitos do tratamento atual – intubação ou traqueostomia, sedação.
  • Efeitos de outras lesões ou lesões – fratura orbital/craniana, disfasia ou hemiplegia, dano na medula espinhal.

Nos casos de impossibilidade de aplicar algum dos estímulos, não informar um número e sim “NT”, ou seja, “não testado”. Houve também a mudança no termo “dor” para “pressão”, pois se um paciente está em coma não há como ter certeza sobre a sua sensação de dor. Para receber a Escala de Coma de Glasgow atualizada, submeta o formulário abaixo.

 

Nota: Para a utilização da ECG é necessário conhecimento prévio, pois sua aplicação criteriosa e sistematizada é essencial para a avaliação e a instituição de condutas, para assim garantir a fidedignidade do resultado.

Partilhe esta notícia

A Bwizer nas redes sociais