O nosso website utiliza cookies por forma a melhorar o desempenho do mesmo e a sua experiência como utilizador. Pode consultar a nossa política de cookies AQUI

Publicado a 01/04/2021

Voltar
Alexandre Novais

Compreender a fáscia | Por Alexandre Novais (Bwizer Magazine)

Alexandre Novais

Este artigo fez parte do Número 13 da Bwizer Magazine – pode vê-la na íntegra aqui.

 

Compreender a fáscia e as terapias miofasciais exige um conhecimento não só anatómico mas, sobretudo, funcional. A forma como a fáscia se distribui nas diferentes estruturas do nosso organismo e a maneira como ela reage às solicitações de toda a biomecânica, química e psico-emocionalidade inerentes ao funcionamento desse mesmo organismo e à busca incessante da homeostasia corporal.

O conhecimento de como todas estas áreas interagem entre si é fundamental para termos a noção da globalidade e interatividade de todas as estruturas do nosso corpo conseguindo, deste modo, chegar ao verdadeiro diagnóstico e desenvolver um plano de intervenção terapêutica adequada.

Este artigo tem como objetivo fazer uma breve descrição do tipo de fáscias e a suas características funcionais bem como esclarecer o porquê de algumas reações tecidulares quando a fáscia é submetida ao estímulo das terapias miofasciais descrevendo as principais estruturas que contribuem para as respostas fasciais (e muito mais haveria para dizer…).

Assim sendo, e no que concerne aos tipos de fáscia e às suas características funcionais:

 

Também lhe poderá interessar Tipos de Fáscia, com Alexandre Novais.

Leia também o artigo Características Funcionais da Fáscia.


Fáscia de ligação: Compreende tecido conectivo denso que pode ser classificado como ativo ou passivo e que “inclui fáscias de músculos, fáscia de regiões (cabeça e pescoço, tronco, membros), aponeuroses, arcos tendinosos e baínhas neurovasculares”1

  • Fáscia de ligação ativa: contém inúmeros recetores de dor e mecanorreceptores; é ativa durante o movimento e na estabilização das articulações e crucial para a transmissão de força. Ela pode ter a capacidade de contrair para oferecer pré tensão aos músculos. Exemplos: fáscia toracolombar; trato Iliotibial2
  • Fáscia de ligação passiva: mantém continuidade entre as estruturas; tem funções propriocetivas3; é passivamente envolvida na transmissão de força via colocação de carga a partir dos músculosExemplos: ligamento da nuca, aponeurose plantar.

Para continuar a ler este artigo, submeta o formulário abaixo.

 

 

 

Este artigo fez parte do Número 13 da Bwizer Magazine – pode vê-la na íntegra aqui.

CV: Alexandre Novais é Fisioterapeuta. Tem Pós-Graduação em Terapias Miofasciais 1º e 2º Nível realizado pelo Instituto Europeu de Ensino Superior, em Osteoetiopatia pela ATMS e também em Hidroterapia, ministrada por Johan Lambeck e Urs Gamper.

Partilhe em...