O nosso website utiliza cookies por forma a melhorar o desempenho do mesmo e a sua experiência como utilizador. Pode consultar a nossa política de cookies AQUI

Dicas para o Sucesso Profissional

Ebook gratuito
Voltar à listagem

Fisioterapia no tratamento do ombro congelado

O ombro congelado, também conhecido como capsulite adesiva, é uma apresentação clínica comum e pode ser significativamente doloroso e incapacitante. A condição progride em três estágios: freezing ou congelando (doloroso), frozen ou congelando (adesivo) e thawing ou descongelamento.

Com uma etiologia incerta, caracteriza-se por uma restrição significativa do movimento ativo e passivo do ombro que ocorre na ausência de um distúrbio intrínseco conhecido do ombro, que resulta numa rigidez insidiosa do ombro, dor intensa que geralmente piora à noite, assim como numa perda quase completa da rotação externa ativa e passiva do ombro.

Estima-se que afete 2% a 5% da população e, normalmente, não há achados significativos na história do paciente, exame clínico ou avaliação radiográfica para explicar a perda de movimento ou dor.

Os tratamentos conservadores comuns incluem medicamentos anti-inflamatórios não esteróides (AINE's), glicocorticóides orais, injeções intra-articulares de glicocorticóides e fisioterapia. Com efeito, quando usados em combinação com fisioterapia, os AINE's demonstraram ser mais eficaz em comparação com o uso de AINE's isoladamente. Da mesma forma, vários estudos sobre corticosteróides intra-articulares usados em combinação com fisioterapia resultaram em melhores resultados em comparação com corticosteroides intra-articulares isolados.

 

Fisioterapia no tratamento do ombro congelado 

Várias técnicas, incluindo exercício, podem ser usados como tratamento de primeira linha para capsulite adesiva com vista a aliviar a dor e reeducar e recuperar o movimento funcional.

Para continuar a ler este artigo sobre a fisioterapia no tratamento do ombro congelado, submeta o formulário abaixo.

Fisioterapia no tratamento do ombro congelado

Partilhe esta notícia

A Bwizer nas redes sociais