Return to Play (RTP): critérios propostos pela FIFA

Return to Play (RTP) é definido como o processo de tomada de decisão de fazer um atleta regressar à competição pós lesão.

Com efeito, quando existem recursos podem ser utilizadas diversas ferramentas de monitorização de alta tecnologia (incluindo exames de ultrassom - US- e GPS). Contudo, na maioria dos contextos o profissional não terá estes meios à sua disposição, pelo que é vital seguir os princípios básicos que consistem em esperar até que o atleta seja assintomático e a adição de uma carga progressivamente crescente é aplicável em todos os níveis.

Segundo a FIFA (2017), os fatores a serem considerados no processo de tomada de decisão em RTP incluem:

  • Os isquiotibiais são um grupo heterogeneo de músculos e, por isso, é necessário criar subgrupos musculares resultando em diferentes tempos de "despedimento" e recuperação.
  • Para garantir um diagnóstico preciso, consideramos os achados do US e o diagnóstico clínico e, em segundo lugar, a informação de RM.
  • RTP pode ser individualizado com base não apenas no tipo e localização da lesão, mas também na posição do jogador no campo e outras características/ especificidades individuais.

Return to Play (RTP) - critérios propostos pela FIFA - bwizer academy

Assim, e de acordo com esta mesma instituição, os critérios para orientar o RTP são:

  • Quanto ao tipo e local da lesão, é obrigatório seguir o tempo biológico da progressão.
  • Para retornar ao futebol, não deve haver sintomas clínicos e um teste estático e dinâmico de US que demonstre cicatrização de tecido de boa qualidade.
  • A força excêntrica altamente explosiva deve ser demonstrada de forma específica ao desporto e mecanismo de lesão. Sugere-se, por exemplo, que o teste H de Askling seria apropriado para uma lesão de tipo alongamento, enquanto que a corrida de alta velocidade sem sintomas pode ser apropriada para uma lesão de tipo sprint.
  • Trabalho de core e propriocepção durante a recuperação até atingir as habilidades objetivas relevantes é vbital (normalmente, isso é pelo menos 70% do tempo de reabilitação)
  • Normalmente, é feita uma avaliação GPS - para que seja permitido o RTP deve existir um balanço normal; parâmetros normalizados, sem sintomas específicos para esporte e picos de velocidade individualizados (idealmente derivados de dados de correspondência pré-lesão existentes). Por exemplo, um atleta deve ser capaz de correr> 21 km / h sem sintomas, acelerar em 3-4 m / s2 e ter uma tolerância total à travagem / desaceleração.
  • O jogador deve, idealmente, participar de pelo menos 5-6 sessões de treino normais com a equipa (tipicamente 3 dias compreendendo 2 ciclos de treino) com parâmetros GPS comparando favoravelmente com dados pré-lesões.

 

Queres saber mais sobre as lesões, a sua prevenção e o RTP?

Partilhe esta notícia