O nosso website utiliza cookies por forma a melhorar o desempenho do mesmo e a sua experiência como utilizador. Pode consultar a nossa política de cookies AQUI

Dicas para o Sucesso Profissional

Registo
Voltar à listagem

Poderá um programa de exercício baseado na técnica hipopressiva melhorar a qualidade de vida de mulheres com incontinência urinária?

Sabia que a incontinência urinária é muito comum no pós-parto sendo o número de filhos e o tipo de parto fatores de risco da mesma?

Sabia também que em muitas situações as mulheres afetadas não procuram tratamento, uma vez que existe ainda um grande tabu sobre este tema a que acresce a ideia errada que é "normal" ter perdas de urina após o parto, ou a partir de uma determinada idade? Sim, isto ainda é uma realidade apesar de hoje estar provado que um tratamento supervisionado com exercícios específicos pode ser muito efetivo.

 

Com efeito, "nos últimos anos, começou a utilizar-se a terapia com exercício hipopressivo para a abordagem de disfunções do pavimento pélvico como a incontinência. Ao existirem poucas referências sobre o protocolo ideal de exercícios hipopressivos para tratar a incontinência urinária os autores elaboraram um programa de intervenção inovador.

Foram realizados 10 minutos de exercícios básicos do nível 1 a realizar uma vez por semana até completar três semanas. A partir daqui foi aumentado o tempo das sessões para 15 minutos e também o número de sessões semanais que passou para duas vezes por semana. Nas duas últimas semanas foi aumentado o tempo de prática para 20 minutos dois dias por semana.

Após completar sete semanas todos os casos avaliados melhoraram a severidade e o índice de perdas de urina. Em dois dos casos houve remissão completa das perdas de urina e todas mostraram uma elevada satisfação com o programa.

Uma vez que os casos foram avaliados, houve melhorias na taxa de vazamento de urina. Os resultados apresentados no estudo permitem-nos:

  • Estabelecer as bases de novos protocolos de estudos experimentais com grupos de maiores dimensões.

Tanto a duração das sessões como a apresentação de forma progressiva facilitam em grande parte a sua execução pela paciente e a aplicação em âmbito clínico para o/a terapeuta. Estudos anteriores e profissionais propunham sessões de maior duração (30 a 45 minutos).

Contudo, à luz das melhorias observadas neste estudo um protocolo de menor duração e poucas sessões (uma ou duas por semana) resultaria também eficaz destacando a maior facilidade na sua prescrição."

Poderá um programa de exercício baseado na técnica hipopressiva melhorar a qualidade de vida de mulheres com incontinência urinária?

Partilhe esta notícia

A Bwizer nas redes sociais