O nosso website utiliza cookies por forma a melhorar o desempenho do mesmo e a sua experiência como utilizador. Pode consultar a nossa política de cookies AQUI

Formador (a)
Formador (a)

Joaquín Muñoz

Fisioterapeuta e Osteopata pela EOM, Joaquín Muñoz possui diversas formações especializantes, das quais se destaca o Master Universitário em Saúde e Desporto. É...

Saber mais
Formador (a)

Sandra Balaguer

Fisioterapeuta e Osteopata pela EOM e E.U Fisioterapia “Garbí”, Sandra Balaguer é diretora do Centro Muñoz-Balaguer. Formadora e docente universitária em divers...

Saber mais
Formador (a)

Cristina Pérez

Fisioterapeuta e Osteopata, Cristina Pérez é Doutora em "Nuevas Tendencias Asistenciales y de Investigación en Ciencias de la Salud" e conta com vasta formação ...

Saber mais
Formador (a)

Maria Jesús Gómez

Licenciada em Psicologia, Maria Jesús Gómez conta com um Mestrado em Neuropsicologia Clínica e é Doutora em Medicina. É ainda acreditada em Psicologia Feral San...

Saber mais
Formador (a)

Aitor Baño

Fisioterapeuta e Osteopata pela EOM, Aitor Baño contém um Master em "Gestión de Calidad en los Servicios de Salud" e é Doutor pela Universidade de Sevilha. Para...

Saber mais
Formador (a)

Macarena Campo

Terapeuta da Fala com Master em Reabilitação da Voz e Especialização em Motricidade Orofacial, Macarena Campo conta ainda com inúmeras formações complementares ...

Saber mais
Formador (a)

Gema Arias

Licenciada em Odontologia com Master em Odontologia Prática Diária e em Ortodoncia e Ortopedia, assim como em Ortodoncia Invisível, Gema Arias conta ainda com f...

Saber mais
Formador (a)

Roberto Pascual

Diplomado em Podologia e Mestre em "Atención en Cuidados", Roberto Pascual é Docente do Master em Podologia Infantil e professor em inúmeras instituições nas ár...

Saber mais
Formador (a)

Erika Quintana

Fisioterapeuta e Osteopata pela Escuela Osteopatía de Madrid, Erika Quintana é doutorada pela Universidade de Sevilla e Professora Titular da EOM, entre outras ...

Saber mais
Programa

1º Seminário: Neurodesenvolvimento e Optometria

Data: 15, 16, 17 de outubro de 2021 

Formato: Presencial

  • Introdução e apresentação do curso
  • O cérebro do recém-nascido. Neurofisiologia da visão
  • Desenvolvimento motor vs desenvolvimento visual
  • Desenvolvimento neuropsicomotor (construção da imagem mental, desenvolvimento da linguagem, integração espaço-temporal, alfabetização ...)
  • Lateralidade
  • Distúrbios de aprendizagem
 

2º Seminário: Oftalmologia e Otorrinolaringologia em Pediatria

Data: 5, 6, 7 de novembro de 2021 

Formato: Presencial

  • Oftalmologia

   - Avaliação e exame do olho da criança com o objetivo de realizar fisioterapia ocular

   - Avaliação através de teste aos músculos do olho e nervos cranianos, a nível motor e sensibilidade

   - Avaliação e intervenção sob o sistema nervoso ortossimpático e parassimpático do olho

   - Definição e abordagem terapêutica nas principais disfunções oculares

   - Tratamento multidisciplinar da patologia oftalmológica

  • Otorrinolaringologia 

   - Avaliação e exame do ouvido, com o objetivo de realizar fisioterapia ocular

   - Técnicas de fisioterapia para drenar o ouvido médio da criança

   - Sucção e deglutição do recém-nascido ao bebé

   - Avaliação e tratamento da língua e híodos

  • Lactação 

   - Ossos do crânio e mandíbula

   - Músculos e inervação relacionados com a deglutição e sucção

   - Reflexos primitivos orofaciais

   - O vínculo da amamentação

 

3º Seminário: ATM na Pediatria

Data: 10, 11 e 12 de dezembro de 2021 

Formato: Presencial

  • Introdução

    - Embriologia

   - Parto

   - Alterações craniomandibulares nas diferentes fases de crescimento

  • Anatomia da ATM 

   - Sistema estomatognático: crânio; ATM; Dentes; Cervical e Cintura Escapular

   - Inervação sensorial e motora; Pares cranianos V, VII, IX, X, XI e XII

  • Biomecânica 

   - Fisiologia articular e muscular

   - Mobilidade quantitativa e qualitativa

  • Patologia da ATM 

   - Dentista pediátrico:

     Cronologia da erupção

     Etapas da dentição: temporária, mista e permanente

     Patologia oclusal característica de cada etapa

   - Fisioterapeuta:

     Sistema mastigatório

     Disfunções articulares, capsuloligamentares e meniscais

    Hábitos parafuncionais

   - Terapeuta da fala:

    Deglutição atípica. Hábitos parafuncionais e patologia da língua

  • Diagnóstico (Dentista Pediátrico / Fisioterapeuta / Terapeuta da Fala) 

   - Anamnese; Radiologia (RX, CT, MRI); Postura

   - Oclusão normal e tipos de maloclusões: vertical, transversal e sagital. Efeitos na ATM

   - Avaliação articular e muscular; Dor; Movimentos mandibulares (abertura, desvios laterais, protrusão)

   - Testes de mobilidade ativos e testes articulares passivos

  • Tratamento

   - Dentista pediátrico: Tratamento das maloclusões: quando tratá-las? Precisamos de ortopedia interceptativa ou esperamos pela ortodontia? Papel do Fisioterapeuta / Osteopata

   - Terapeuta da Fala: Reabilitação. Língua e deglutição atípica

   - Fisioterapeuta: sistema mastigatório / técnicas articulares, meniscais, musculares, membranosas e cervicais

   - Coordenação interdisciplinar: comunicação e monitoramento do tratamento global

 

4º Seminário: Posturologia Pediátrica

Data:  7, 8, 9 de janeiro de 2022 

Formato: B-Learning

  • Os diferentes recetores. Recetores primários e secundários. Vias neurológicas. Os gânglios da base 
  • A importância dos reflexos primitivos
  • Nervos cranianos e postura. Avaliação e teste 
  • Regulação postural desde o recetor ocular
  • Esquema de Brodie
  • Trabalho multidisciplinar em posturologia
  • Respostas posturais
  • Evolução da postura de acordo com as fases de desenvolvimento

 

5º Seminário: Neurodesenvolvimento e Psicologia em Pediatria

Data:  18, 19, 20 de fevereiro de 2022 

Formato: Presencial

  • Desenvolvimento intrauterino do Sistema Nervoso Central. Embriologia 
  • Os três cérebros. Neuroevolução. O cérebro reptiliano, mamífero e humano
  • Os gânglios da base
  • Desenvolvimento psicomotor da criança 
  • Esquema de Brodie
  • Fases do desenvolvimento motor: fase monolateral alternada. Fase duo-hemisférica. Fase contralateral. Fase unilateral. Alterações mais frequentes. Intervenção nestas alterações
  • Neurologia do desenvolvimento visual e auditivo em relação ao desenvolvimento motor 
  • Patologias: TDAH, Autismo, Dislexia 
 

6º Seminário: Terapia Manual em Fisioterapia Respiratória em Pediatria

Data:  18, 19, 20 de março de 2022 

Formato: B-Learning

  • Introdução

   - Anamnese em pediatria e as suas particularidades

   - Fases da infância

  • Anatomia e fisiologia do bebé à criança

   - Desenvolvimento intrauterino

   - Anatomia torácica do bebé e da criança

   - Mecânica da Ventilação. Propriedades mecânicas do sistema respiratório do bebé e da criança

   - Fisiologia da ventilação. Troca e transporte de gases

   - Insuficiência respiratória

   - Inspeção torácica e avaliação da mobilidade

   - Função pulmonar

  • Patologia respiratória

   - Alteração das capacidades pulmonares: patologia restritiva

   - Patologia das vias aéreas: patologia obstrutiva

   - Patologias respiratórias pediátricas

   - Epidemiologia

   - Fatores de risco para patologias respiratórias pediátricas

   - Diagnóstico por MCD's

   - Auscultação e percussão

   - Audição de ruídos normais e adventícios

  • Anatomia e fisiologia do sistema respiratório do recém-nascido e da criança 
  • Patologias respiratórias em pediatria

   - Bronquiolite

   - Pneumonia

   - Fibrose cística

   - Asma brônquica

  • Fisioterapia respiratória 

   - Modalidades terapêuticas

   - Reeducação da ventilação e expansão pulmonar

   - Drenagem de secreções

   - Métodos de variação do fluxo respiratório: TEF-AFE, ElTGOL, EDIC, drenagem autógena, técnicas de aumento de fluxo. Expiração lenta prolongada. Bombeamento traqueal expiratório

   - Tosse e expetoração dirigida, assistida e provocada. Prevenção de tosse

   - Elpr, DRR, GPR: Intervenção em Fisioterapia para bebés

   - Ventilação dirigida, exercícios de reeducação diafragmática

   - Tratamento de distúrbio obstrutivo crónico

   - Contra-indicações e sinais de alerta

  • Terapia manual em patologia respiratória 

   - Diafragma. Mediastino

   - Treino específico dos músculos respiratórios

   - Normalização neurovegetativa em patologia respiratória

   - Vascularização e inervação pulmonar

   - Intervenção sob estruturas envolvidas na patologia respiratória: cervical e crânio

 

7º Seminário: Aspetos fisiológicos e nutricionais na gravidez, pós-parto e primeira infância

Data:  1, 2 e 3 de abril de 2022 

Formato: Online

  • Introdução à Genética e Epigenética 
  • Programação antes e durante a gravidez 

   - Chaves nutricionais e de estilo de vida

   - Transporte de nutrientes da mãe para o feto

   - Programação do eixo de stress

  • Programação no parto

   - Ponto-chaves nutricionais e de estilo de vida

   - Transporte de nutrientes da mãe para o feto

   - Programação do eixo de stress

   - Programação correta durante o parto ou cesariana

   - Preparação para a amamentação e patologias comuns

  • Prevenção de problemas neonatais (Cólica infantil, refluxo, constipação, distúrbios do sono ...)
  • Programação epigenética durante o pós-parto 

   - Pontos-chave para o correto desenvolvimento do sistema imunológico

   - Pontos-chave para o correto desenvolvimento psicomotor, sensório-motor e cognitivo

   - Abordagem das patologias recorrentes desde a origem da patologia. (Bronquiolite, otite ...)

 

8º Seminário: Patologia Digestiva em Bebés e Crianças

Data:  13, 14 e 15 de maio de 2022 

Formato: Presencial

   - Introdução anatómica e funcional do sistema digestivo do bebé e do seu desenvolvimento

   - Significado de cólica infantil. Como reconhecê-lo. Eficácia dos tratamentos médicos. Evidência científica

   - Cólica infantil e sua relação com o refluxo gastroesofágico

   - Diagnóstico e avaliação da cólica infantil com base nos diferentes testes validados. A anamnese correta

   - Avaliação manual do bebé

   - Abordagem terapêutica para cólicas infantis. Conselhos aos pais

 

9º Seminário: Podologia Pediátrica

Data:  10, 11 e 12 de junho de 2022 

Formato: Online

  • Evolução fisiológica dos membros inferiores na população infantil 

   - Evolução angular e torcional dos membros inferiores

   - Exame Clínico de evolução angular e torção

  • Implicação das leis de crescimento no desenvolvimento de distúrbios infantis e seu envolvimento com o desporto 

   - Leis de crescimento envolvidas no desenvolvimento de distúrbios infantis

   - Atividade desportiva em crianças: possíveis efeitos adversos

  • Distúrbios da marcha do bebé: adução, abdução e na ponta dos pés. Casos Clínicos 

   - Evolução fisiológica da marcha da criança

   - Análise dos distúrbios de marcha mais comuns

   - Sessão Prática: Avaliação clínica e ortopédica em casos clínicos reais

  • Pé chato infantil. Estudo biomecânico e casos clínicos 

   - Quadro conceitual atual de pés chatos infantis

   - Análise dos fatores de progressão associados ao pé plano na infância

   - Sessão Prática: Avaliação clínica e ortopédica de pés planos em casos clínicos

  • Análise crítica de calçados infantis

   - Critérios para calçados infantis de acordo com a idade

   - Sessão prática: Análise crítica de calçado infantil. Critério de seleção

 

10º Seminário: Terapia Manual, Neurointegração e Exercício Terapêutico em Pediatria

Data:  1, 2 e 3 de julho de 2022 

Formato: Presencial

  • Embriologia

   - Desenvolvimento geral

   - Os órgãos dos sentidos

   - Generalidade do neurodesenvolvimento

  • Neurointegração 

   - Reflexos primitivos

   - Reflexos de transição

   - Reflexos posturais

   - Períodos de aparecimento e desaparecimento e função

   - Postura na criança

  • Avaliação fisioterapêutica no: 

   - Recém-nascido

   - Bebé

   - Avaliação postural de acordo com a idade

  • Patologias mais frequentes em idade pediátrica 

   - Tipos de patologias traumáticas:

  Crânio:

     - Craniossinostose

     - Plagiocefalia

  Face:

     - Canal lacrimal entupido

     - Frênulo

  Clavícula:

     - Fraturas de clavícula

     - Rutura de fibras do ECOM

   Membro Superior:

     - Luxação da cabeça do raio

   Membro Inferior:

     - Luxação congênita da anca

     - Torções tibiais

     - Pé torto

     - Torção de tornozelo

     - Síndrome de Sever

  • Transtornos do desenvolvimento psicomotor 
  • Exercício terapêutico em pediatria 

Investimento

O pagamento desta formação pode ser realizado através de duas modalidades:

  • Pronto pagamento do valor total do curso - Esta modalidade permite-lhe fazer a inscrição por um valor mais reduzido uma vez que não está sujeita a qualquer taxa adicional.
  • Pagamento em mensalidades - O número de mensalidades é escolhido pelo cliente consoante a sua preferência. Este método tem uma taxa adicional que faz com que o valor final seja superior ao valor do pagamento a pronto. No entanto permite a diluição do valor total ao longo do tempo, diminuindo a sua taxa de esforço financeiro. A primeira prestação deve ser paga no momento da inscrição. As restantes mensalidades são pagas no início dos meses seguintes (consecutivos).
 

FAQs Pagamento em Mensalidades

1. Como posso saber qual o valor de cada mensalidade e qual a taxa aplicada? 
O valor depende do número de mensalidades escolhido. Pode fazer uma simulação de compra, sem compromisso, clicando em Inscreva-se Já > Pagamento a Prestações (Mensalidade) > Seleccionar o número de mensalidades pretendidas. Será apresentado o valor da mensalidade assim como a taxa associada ao mesmo. Se quiser concluir o processo basta clicar em Confirmar Compra. No final do processo deverá ainda anexar na sua Área Pessoal o Contrato de Prestações devidamente assinado. Anexar este documento na sua Área Pessoal é um processo obrigatório e sem ele a inscrição não poderá ser validada.

2. Com que periodicidade tenho de pagar cada mensalidade?
A primeira mensalidade é paga no momento da inscrição. As mensalidades seguintes são pagas até ao dia 5 de cada mês. As mensalidades seguintes terão de ser pagas nos meses subsequentes à inscrição, sem meses de intervalo entre elas. Esta periodicidade é seguida independentemente do número de mensalidades escolhido.

3. Como recebo os dados de pagamento de cada prestação?
No momento da inscrição recebe um email e SMS com os dados de pagamento da primeira mensalidade. As instruções de pagamento das mensalidades seguintes serão enviados ao dia 1 de cada mês.

4. Quais os métodos de pagamento disponíveis?
Os métodos de pagamento disponíveis são REF MB, Visa e Paypal. Note que o método escolhido no momento da inscrição será o mesmo ao longo de todo o processo.

5. O que acontece se me esquecer de fazer o pagamento até ao dia 5?
Se se atrasar no pagamento da sua prestação e a encomenda cancelar, será sujeito ao pagamento de uma multa para reativar a sua inscrição. Deverá contactar-nos para info@bwizer.com, caso contrário não poderá frequentar o curso até ao momento da reativação.

O que é o Conceito B-B?

O progresso na fisioterapia, e especialmente na fisioterapia pediátrica, nos últimos anos, abriu muitas portas em termos da abordagem terapêutica de muitas patologias. Neste momento o futuro da fisioterapia infantil é integrar diferentes disciplinas dentro de uma fisioterapia pediátrica especializada. Para o conseguir, devemos deixar de utilizar o espelho da fisioterapia para adultos, para os olharmos num conceito diferente e distinto. O paciente pediátrico é um mundo novo e maravilhoso, dividido em idades, com uma anatomia diferente e mutável, com uma fisiologia que amadurece ao mesmo ritmo e um desenvolvimento psicomotor interdependente.

Os bebés nascem com todas as capacidades e todas as ferramentas para alcançar o nível máximo de desenvolvimento motor, cognitivo e emocional em cada caso, mas precisam dos estímulos certos e das possibilidades para que os genes se expressem. O desenvolvimento neurológico é de importância vital na avaliação e tratamento de patologias pediátricas. Na fisioterapia infantil devemos não só concentrar-nos na patologia que o paciente apresenta no momento presente, mas também avaliar de onde vem, como o seu desenvolvimento físico, cognitivo e emocional tem sido até agora, e sobretudo como a patologia actual o irá afectar no futuro a nível do desenvolvimento neurológico.

 

Apenas se formos capazes de avaliar a influência futura ao nível da aquisição de capacidades, teremos a possibilidade de realizar uma fisioterapia preventiva, que é a base dos sistemas de saúde avançados. Sabemos que a melhor forma de manter a saúde da população é a prevenção, e o neurodesenvolvimento dá-nos ferramentas muito úteis neste sentido. Temos de compreender a criança como um sistema complexo, formado por uma multiplicidade de esferas que requerem um equilíbrio instável que lhes permita continuar a amadurecer.

 

Para ser um fisioterapeuta infantil precisamos de ver esse sistema de uma forma global, e fazer a abordagem terapêutica que a criança precisa, tendo em conta a idade, o grau de maturidade e o tipo de tratamento específico necessário. Além disso, não podemos perder de vista como a patologia presente e o tratamento irão afectar o equilíbrio das outras esferas. Isto levar-nos-á a realizar tratamentos mais transversais, o que permitirá ao paciente pediátrico ter um tratamento global que integra todas as áreas de desenvolvimento.

 

O desenvolvimento psicomotor na primeira infância desempenha um papel muito importante no desenvolvimento das futuras funções académicas e executivas, bem como no desenvolvimento do comportamento e de outras competências sociais. Se o processo de neurodesenvolvimento não ocorrer da forma correcta, as capacidades futuras e a autonomia da criança ficarão comprometidas. Por esta razão, é essencial que os profissionais de saúde dedicados ao tratamento da infância saibam identificá-los cedo, e estabelecer os tratamentos mais adequados, sempre num contexto multidisciplinar.

É por isso que a interacção com psicólogos, pedagogos, professores e professores é muito importante. Quando falamos de desenvolvimento psicomotor não podemos esquecer a relação estabelecida entre o movimento e a organização psicológica geral.

A actividade psicomotora, com a maturação do bebé, deixa de responder com movimentos reflexos e espontâneos, e deve ter um acto volitivo e intencional associado a cada movimento. Esta maturidade do movimento está associada ao reconhecimento do próprio corpo, à formação do esquema corporal, à definição de lateralidade, coordenação ou orientação temporal e espacial, entre outros. Temos de saber trabalhar com psicólogos, pedagogos, professores e professores, os grandes esquecidos da equipa multidisciplinar na saúde infantil.

 

O objectivo será sempre o de fornecer à criança o maior número de estímulos e ferramentas para que ela possa atingir o máximo do seu potencial. Para isso é necessário que o fisioterapeuta infantil tenha um vasto conhecimento das fases de desenvolvimento da criança, conhecendo os principais marcos do processo de maturação, tanto físicos, cognitivos e emocionais, como os potenciais factores de risco.

 

O desenvolvimento final depende de como expomos os nossos bebés à sua composição genética e experiências de vida. Determinar o que é uma perturbação do desenvolvimento neurológico não é simples, entre outras coisas porque este défice na maturação de um circuito cerebral tem uma expressão diferente em cada fase de desenvolvimento. Quanto mais cedo for feito o diagnóstico e quanto mais cedo a intervenção nas alterações de desenvolvimento neurológico presentes no paciente, menos influenciará o resto do processo maturacional, e melhor será o prognóstico.

 

Trata-se de perturbações do desenvolvimento neurológico, tais como perturbações do espectro do autismo, paralisia cerebral infantil ou dificuldades de aprendizagem. Mas na sociedade actual, os bebés e as crianças são oferecidos cada vez menos experiências sensoriais de qualidade, menos experimentação física e mais utilização de ecrãs desde a mais tenra idade. Tudo isto provoca um aumento das perturbações de desenvolvimento neurológico de baixo perfil, tais como a falta de desenvolvimento adequado das capacidades motoras brutas e/ou finas, ou alterações significativas na coordenação, entre outras. Assim, temos de abrir os nossos olhos a novos tipos de perturbações de desenvolvimento neurológico que irão condicionar, entre outras coisas, o desenvolvimento postural, sensorial ou músculo-esquelético da criança.

 

Portanto, o tratamento das perturbações do desenvolvimento neurológico por um fisioterapeuta especializado nesta área permite, não só redireccionar uma situação de maturação retardada, mas também dar uma resposta a problemas de movimento, postura, comunicação ou aprendizagem, no momento certo no desenvolvimento da criança.

 

Muitos dos pacientes que tratamos em fisioterapia infantil são ao mesmo tempo submetidos a outros tratamentos de saúde, e é essencial que saibamos como podemos interagir com outros profissionais de saúde, e como os nossos tratamentos podem facilitar ou interferir no desenvolvimento dos seus. Sabemos que existem muitas ligações entre patologias e alterações músculo-esqueléticas, alterações neurodevelopmentais, amadurecimento visual, etc...

Podemos falar, por exemplo, da maior frequência de alterações na função visual ou de alterações no desenvolvimento do controlo postural em crianças com história de plagiocefalia. E se abordarmos o tratamento da plagiocefalia de forma diferente? Sabemos que muitas das crianças com plagiocefalia também têm atrasado o desenvolvimento psicomotor em algumas áreas. E se pensarmos nestas tendências futuras no tratamento da plagiocefalia?

 

E se um fisioterapeuta estivesse também a trabalhar com crianças que estão a ser submetidas a terapia da visão por um optometrista e que têm um historial de plagiocefalia? O que aconteceria com a terapia da visão? E as crianças com escoliose que também apresentam alterações na função visual? E as que apresentam défices posturais? A nossa experiência clínica diz que as crianças que estão a receber terapia manual e tratamento de neurointegração combinada com tratamento optométrico, por exemplo, têm melhorias mais rápidas e menos afetação de outras esferas no processo de tratamento.

 

Uma multiplicidade de factores está envolvida no desenvolvimento da postura. A fim de manter uma boa postura, é necessário activar os mecanismos de controlo sensorimotor. Os diferentes sensores posturais devem estar em óptimas condições para que a informação que transmitem seja também óptima, e para que as reacções posturais sejam de boa qualidade e exijam o mínimo de tempo e energia possível. A maturação dos sistemas proprioceptivos, visuais e vestibulares é adquirida em idades diferentes, pelo que a maturação postural dependerá do estado de desenvolvimento destes sistemas.

Da mesma forma, o desenvolvimento das capacidades visuais e vestibulares será condicionado pela disposição da cabeça no espaço. A forma de engolir e a função mastigatória serão fundamentais a este respeito, uma vez que existe uma correlação entre a posição cefálica e o desenvolvimento dos sistemas sensoriais. E por isso o nosso trabalho com terapeutas da fala e dentistas pediátricos em casos de alterações da mordida (mordidas cruzadas, retrognatia ou prognóstico, entre outros), a maturação da respiração (respiradores orais, por exemplo) ou a deglutição (muito significativa é a deglutição atípica) será importante para optimizar os resultados dos tratamentos.

 

Se falamos de captores posturais e de neurodesenvolvimento não podemos esquecer os pés das crianças. Os pés são fundamentais no desenvolvimento postural e uma das estruturas com mais mudanças de função nos primeiros anos de vida. Em crianças sem patologia subjacente, há muitas pequenas alterações na estrutura e desenvolvimento muscular do pé, levando a deficiências que devem ser avaliadas e tratadas por um podologista. Em bebés ou crianças com patologias devemos avaliar como essa patologia e o seu tratamento interferiram na aquisição de certas capacidades motoras ou na integração de alguns reflexos primitivos.

 

Por exemplo, no pé torto, onde existe um método tão consolidado como o método Ponseti, padrão de ouro dos tratamentos do pé torto, e que permite uma correcção estrutural e/ou funcional perfeita, vemos que frequentemente nestes pacientes há alterações no desenvolvimento de algumas capacidades motoras brutas e postura. O tratamento fisioterapêutico, com terapia manual e neurointegração entre outras, permite abordar estas pequenas franjas que fazem com que a correcção da patologia chegue muito para além da própria estrutura afectada.

 

Da mesma forma, muitas outras patologias do pé afectam não só as estruturas do pé, mas também modificam o comportamento de toda a extremidade inferior e causam alterações músculo-esqueléticas à distância, bem como afectam o desenvolvimento da postura. Para compreender este conceito podemos ter em conta, por exemplo, que no caso de uma criança com pé torto unilateral, a alteração ao nível do desenvolvimento neurológico será encontrada nas capacidades motoras brutas do membro afectado e do membro saudável. Assim, em muitos casos, a patologia vai muito além da estrutura muscular, óssea ou nervosa vascular afectada. Os circuitos e reflexos primitivos que se formam nos primeiros anos de vida colocam estruturas distantes umas em relação às outras, e geram alterações nas capacidades de estruturas aparentemente saudáveis. É por isso que em qualquer patologia ou em qualquer alteração dos suportes plantares é importante que um fisioterapeuta avalie como estas características estruturais ou funcionais afectaram o desenvolvimento dos circuitos de postura e de neurointegração.

 

Temos tendência a separar o desenvolvimento, avaliação e tratamento das estruturas músculo-esqueléticas do desenvolvimento da emoção e da cognição. Já dispomos de muitos dados científicos que nos dizem que o desenvolvimento de todas estas esferas é interdependente. Em caso algum podemos separar o desenvolvimento das funções executivas superiores, da capacidade de leitura e escrita, da capacidade de inter-relação social, do desenvolvimento puramente motor, uma vez que uma condiciona as outras, são alimentadas pelas capacidades e são pesadas pelas alterações de todas elas. É importante que tenhamos formação e a capacidade de trabalhar em conjunto com todos os componentes da equipa multidisciplinar que uma criança possa encontrar ao longo da sua vida.

Quando avaliamos a situação clínica e o nível de desenvolvimento neurológico de uma criança, devemos ter sempre em conta se as suas necessidades nutricionais estão cobertas, e como são as suas reacções imunológicas. Durante o crescimento, as necessidades nutricionais são muito importantes, ao ponto de os estados carenciais ou processos inflamatórios limitarem a capacidade de desenvolvimento de certas estruturas. Por este motivo, é importante que tenhamos também uma figura de apoio do ponto de vista nutricional. 

 

Noutros casos, muitos e cada vez mais, somos os profissionais de saúde a quem os pais vão primeiro avaliar um problema particular dos seus filhos. Nas crianças com problemas respiratórios, naquelas que necessitam de estimulação precoce devido a atrasos maturacionais ou patologias neurológicas, ou naquelas que simplesmente nos procuram porque têm dores músculo-esqueléticas, em cada um dos nossos pacientes, devemos alargar o nosso âmbito na avaliação inicial. É muito importante que comecemos a procurar qualidade e fisioterapia especializada. Isto é para inovar. Que aprendamos a trabalhar de uma forma multi e interdisciplinar. Que sabemos como e quando nos devemos referir, e, acima de tudo, a que profissional. Em alguns casos precisaremos de recorrer a fisioterapeutas especializados noutras áreas diferentes da nossa, e noutras situações clínicas precisaremos de recorrer a profissionais de saúde de outras especialidades.

 

Na maioria dos tratamentos em pediatria, os fisioterapeutas são um filtro e um veículo para as estratégias terapêuticas de que o paciente necessita, tendo à nossa disposição uma capacidade de avaliação e diagnóstico que abre portas a muitas opções de tratamento. O neurodesenvolvimento é um espaço comum entre disciplinas de saúde, e é também um espaço terapêutico no qual o fisioterapeuta dispõe de muitos instrumentos de intervenção que nos tornam únicos e essenciais na abordagem abrangente ao paciente pediátrico. Fisioterapeutas especializados em neurodesenvolvimento são simultaneamente ponto de encontro e nexo no tratamento da equipa multidisciplinar envolvida no processo de crescimento da criança.

Nunca devemos perder de vista a importância do trabalho de equipa, e que o nosso trabalho será realmente melhor quando soubermos apoiar-nos mutuamente e nos referirmos aos profissionais de que a criança realmente necessita na sua situação clínica específica.

 

E tudo isto é o que propomos, o Conceito B-B. É um conceito integrativo, que tem em conta o trabalho multidisciplinar, onde o neurodesenvolvimento é um dos paradigmas em torno do qual o tratamento é proposto.

 

Um conceito em que podemos ser analíticos e específicos a partir de uma avaliação ampla, que nos permite explorar todas as esferas que compõem o indivíduo pediátrico e todas as necessidades que o paciente tem, a fim de continuar a amadurecer e crescer com todas as possibilidades. A idade do nosso paciente não é uma limitação para a análise e o raciocínio clínico, não é uma limitação nem para o diagnóstico diferencial, nem para a realização de tratamentos de um ponto de vista holístico.

 

A idade é uma vantagem que a biologia nos dá. Permite-nos recuperar o tempo perdido, avançar em alguns campos de desenvolvimento para estimular outros, actuando como vasos comunicantes. A idade do paciente dá-nos a oportunidade de brincar com variáveis dinâmicas e mutáveis, com uma capacidade de adaptação e melhoria que nunca mais teremos em qualquer outra fase da vida.

 

O nosso desafio consiste em integrar a fisioterapia pediátrica na equipa multidisciplinar de todas as especialidades de saúde e educação que têm uma relação com a criança. Para alcançar uma boa coordenação entre fisioterapia infantil clássica, terapia manual, osteopatia, neurologia do desenvolvimento, exercício terapêutico e muitas outras técnicas de fisioterapia. Um conceito em que o fisioterapeuta se relaciona e colabora com todas as áreas da saúde, na mesma linguagem para facilitar a comunicação multidisciplinar e a abordagem ao paciente pediátrico. A fisioterapia é o catalisador do tratamento da criança, uma vez que podemos colaborar e interagir com todas as outras disciplinas de saúde, e não só, mas também podemos ser o filtro e a interligação entre elas.

 

Espera-nos um trabalho fascinante, vamos a ele.

O que inclui a inscrição
  • 200 horas de formação
  • Material de apoio ao curso em formato digital (em espanhol)
  • Certificado de registo profissional em formato digital (DGERT)
  • Seguro de acidentes pessoais em vigor durante o curso
Objetivos

Objetivo Geral:

  • Aprender a intervir na população infantil de uma forma especializada e com a integração de várias vertentes, nomeadamente interagindo numa equipa multidisciplinar

 

Objetivos Específicos:

  • Compreender todos os fatores que influenciam o desenvolvimento do bebé e da criança
  • Identificar o normal desenvolvimento psicomotor da criança, bem como o seu neurodesenvolvimento
  • Saber identificar patologias que afetam o desenvolvimento da criança
  • Potenciar o correto desenvolvimento da criança através da criação de vivências que promovam as habilidades motoras grossas e finas, o desenvolvimento postural, sensorial ou musculoesquelético
  • Intervir de uma forma especializada com recurso a atuação precoce e especializada para o público infantil
  • Alcançar um co-relação entre a fisioterapia infantil clássica, terapia manual, osteopatia, neurologia do desenvolvimento, exercícios terapêuticos e muitas outras técnicas de fisioterapia
  • Aliar a intervenção em fisioterapia com todas as áreas de intervenção infantil
CURSO B-LEARNING Síncrono
  • O curso Concepto B-B: Especialização e Integração em Fisioterapia Pediátrica (Out 2021) - Porto irá decorrer em formato b-learning.
  • Alguns módulos irão decorrer em formato totalmente online, outros totalmente presencial e, ainda em formato misto com as sextas-feiras online e sabado e domingo em presencial.
  • Consulte todas as informações no bloco "Datas e Horários"
  • O link para aceder ao conteúdo online será enviado no email pré-curso cerca de 7 dias antes da data inicial.
  • Realçamos que esta componente é parte integral da carga horária do curso, pelo que a sua presença é obrigatória.
COVID-19: plano Bwizer

Todos os nossos eventos presenciais beneficiam da aplicação das estratégias e medidas necessárias, em estrito cumprimento com as normas e recomendações de segurança e higiene emitidas pela OMS e pela DGS. Não nos pouparemos a esforços para que não comprometamos a segurança e a aprendizagem dos nossos alunos.

Pode consultar todo o detalhe que envolve um evento Bwizer AQUI.

Estamos a atuar aprofundadamente em cinco dimensões:

1. Condições estruturais - dimensão das salas, existência de equipamentos para a adoção de boas práticas de higiene; procedimentos para a limpeza regular das superfícies, incluindo detergentes e desinfetantes apropriados;

2. Educação - reforço permanente das recomendações sobre higienização das mãos, etiqueta respiratória, distanciamento físico, responsabilidade individual;

3. Triagem

4. Equipamentos de proteção individual

5. Práticas gerais e dinâmica de formação

 

A Bwizer NÃO REALIZARÁ eventos onde as condições de segurança não estejam salvaguardadas. Antes de decidir organizar, prosseguir, restringir, modificar, adiar ou cancelar o evento, levaremos a cabo uma avaliação de risco completa em cumprimento com o postulado pelas autoridades de saúde locais, nacionais e internacionais.

Todas as medidas a adotar, assim como a própria efetividade para realização de cada evento, serão atualizadas em conformidade com as condições no terreno e as disposições governamentais e de saúde publica.

Novamente, pode consultar todo o detalhe atualizado sobre as práticas adotadas AQUI.

#porTI. Juntos, estamos a voltar + fortes

FAQ's
Pode consultar todas as Perguntas Frequentes AQUI.
 

O desenvolvimento dos conhecimentos em Fisioterapia Pediátrica nos últimos anos, vem abrir várias portas para a abordagem de muitas patologias. Neste momento, o futuro da fisioterapia infantil passa por integrar diferentes disciplinas dentro de uma fisioterapia pediátrica especializada. Comece por aceder a este artigo acerca do impacto da prematuridade na criança em idade escolar - clique aqui.


Abordar o paciente pediátrico de forma distinta do paciente adulto é imperativo, com os resultados a depender de um bom conhecimento das diferentes fases do desenvolvimento neurológico e psicomotor, assim como das ferramentas mais eficazes e apropriadas.


Esta é uma especialização que lhe trará um raciocínio analítico e específico, partindo de uma avaliação muito completa, que engloba todas as esferas que compõem a criança e as suas necessidades. Estabelece-se a partir de uma boa coordenação entre a fisioterapia infantil clássica, a terapia manual, a osteopatia, o neurodesenvolvimento, o exercício terapêutico e tantas outras técnicas da fisioterapia.

Ler mais

  • Parceiro Oficial
  • Formação Certificada
    DGERT
Vou ser melhor com este curso porque:
  • Vou ser capaz de ter uma abordagem preventiva em fisioterapia pediátrica, valorizando o papel futuro do desenvolvimento e aquisição de competências
  • Vou adquirir uma visão global e uma abordagem terapêutica que considera as necessidades da criança, a sua idade, maturidade e as possíveis disfunções que apresenta
  • Vou saber identificar alterações no desenvolvimento da criança a nível comportamental, neurológico e psicomotor, tendo a capacidade de intervir, sempre em contexto multidisciplinar
  • Vou recorrer a técnicas e conceitos da fisioterapia infantil clássica, terapia manual, osteopatia, neurodesenvolvimento, exercício terapêutico e tantas outras, para intervir de forma eficaz no paciente pediátrico, baseando-me num raciocínio transformador.
Datas
Início: 15, 16 e 17 de outubro de 2021 | Fim: 1, 2 e 3 de julho de 2022
Exclusivo a
#Fisioterapeuta, #Osteopata com Cedula
Nº máximo de vagas
28 Vagas
Investimento
Inscrição antecipada Insc. antecipada (até 14-09-2021) 2.990,00€
Pague em prestações mensais
 2x, 4x, 6x, 8x, 12x
a partir de 275,26€
Mensalidade + baixa disponível até 31/08
Inscrição normalInsc. normal
(até 05-10-2021)
3.190,00€
Inscrição tardiaInsc. tardia
(até 13-10-2021)
3.500,00€
+Info, carga horária e rating
Nº máximo de vagas
28 Vagas
Horário
Sexta: 15:00 - 20:00 (Presencial) ou 17:00 - 22:00 (Online)
Sábado: 09:00 - 19:00 | Domingo: 09:00 - 16:00
Carga Horária
200 horas
Concelho
Porto
Localização
TRYP Porto Expo Hotel
Idioma
Espanhol
Saber mais

A Bwizer nas redes sociais